[vc_row][vc_column][vc_column_text]Crime informático, Crime cibernético, e-crime, Cibercrime (Cybercrime em inglês), crime eletrônico ou crime digital são termos utilizados para se referir a toda a atividade onde um computador ou uma rede de computadores é utilizada como uma ferramenta, uma base de ataque ou como meio de crime.

Este crime pode ser promovido de diversas maneiras: disseminação de vírus que coletam e-mails para venda de mailing; distribuição material pornográfico (em especial infantil); fraudes bancárias; violação de propriedade intelectual e direitos conexos ou mera invasão de sites para deixar mensagens difamatórias como forma de insulto a outras pessoas.

O termo “cibercrime” surgiu depois de uma reunião, em Lyon, na França, de um subgrupo das nações do G8, que analisou e discutiu os crimes promovidos via aparelhos eletrônicos ou pela disseminação de informações para a internet. Isso aconteceu no final da década de 90, período em que Internet se expandia pelos países da América do Norte.

O subgrupo, chamado “Grupo de Lyon”, usava o termo para descrever, de forma muito extensa, todos os tipos de crime praticados na Internet ou nas novas redes de telecomunicações, que estavam e estão cada vez mais acessíveis em termos de custo.

Apesar de não possuir legislação efetiva, no Brasil, é possível identificar alguns crimes previstos no código penal ordinário. A única maneira de um hacker não ser apanhado após ter entrado na rede, é desconectar-se da rede sem ter alterado absolutamente nada.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]